0800 940 8840
Horário de atendimento:
24 horas
TUI DE

Museus (estranhos) de Amsterdã

Ana Paula Hirama via Visualhunt.com / CC BY-SA.jpg andreasdantz via VisualHunt.com / CC BY Jess & Peter Gardner via Visual Hunt / CC BY-SA

Amsterdã tem uma grande variedade de museus: dos que fazem parte do “circuito oficial” aos que são verdadeiras raridades.
Se deseja visitar os museus de Amsterdã, o ponto de partida natural para isso é a Museumplein ("praça dos museus"), grande espaço verde rodeado por algumas das pinacotecas mais importantes da cidade: Rijksmuseum, Museu Van Gogh e Stedelijk. A este trio é preciso somar o Hermitage, à margem do Amstel, e a casa de Anne Frank, no Jordaan. Todos são imprescindíveis, embora haja alternativas caso você tenha tempo e curiosidade.

Entre essas outras opções, destacam-se a Casa-Museu de Rembrandt, o NEMO - para saber mais sobre ciência e as últimas novidades tecnológicas - e o Museu Marítimo Nacional. Para quem cultiva a veia artística, existe também o Museu Nacional de Arte Moderna, e para os amantes da sétima arte, o Eye Film Institute. O município oferece ainda um dos principais museus etnográficos da Europa, o Museu dos Trópicos, com mais de 300 mil objetos de todas as partes do mundo. Por fim, entre os museus mais divertidos, vale a pena destacar a exposição que acolhe a destilaria Heineken e o Museu C.F. Ajax, do time de futebol local.

Porém, se há algo que carateriza a variedade de museus da capital da Holanda, é a raridade de algum deles. O Houseboat Museum homenageia o tipo de residências especiais que abundam nos canais de Amsterdã. Situado no bairro de Jordaan, foi criado em resposta a um pedido de Vincent van Loon, pessoa que se deu conta do interesse que havia pelo tema entre os turistas. Loon converteu uma dessas casas em museu e começou a mostrar como é viver em uma dessas. A visita custa 4,50€ e inclui uma exposição de fotografias e maquetes de barcos.

Amsterdã, como outras cidades da Holanda, tem um museu dedicado ao queijo. Localizado em Prinsengracht, número 112, e não tem nada a ver com o de Alkmaar. Chega a parecer uma loja de tão pequeno que é, mas seu tamanho é suficiente para fazer uma ideia do que significa a produção deste produto alimentar para a Holanda.

Também há museus dedicados às malas e bolsas, aos gatos, às tulipas, aos óculos, aos diamantes, às tatuagens e à Bíblia, além, é claro, de museus eróticos. Não se podia esperar outra coisa da cidade que tem o Bairro Vermelho mais famoso do mundo. O Museu do Sexo e o Museu Erótico são os principais da categoria. O primeiro, conhecido como Venustempel ("templo de Vênus"), é o museu dedicado ao sexo mais antigo do mundo. Tem pinturas, fotografias, estátuas e vídeos. Seu lema é “o sexo é a coisa mais natural do mundo”, e todos os anos é visitado por meio milhão de pessoas. The Erotic Museum, por outro lado, está em pleno Bairro Vermelho. Com uma entrada sinalizada com um letreiro luminoso, divide-se em diferentes galerias que mostram a história do erotismo do ponto de vista artístico.

Galerias de arte

Além de grandes pinacotecas e museus curiosos, Amsterdã pode vangloriar-se de ter numerosas galerias de arte. As últimas novidades em pintura, fotografia e todo tipo de instalações artísticas têm lugar garantido nestes locais, que oferecem, a criadores locais e internacionais, a oportunidade de expor trabalhos para uma grande audiência. Ficam sobretudo em Jordaan, 9 Straatjes e Bairro Vermelho, apesar de estarem espalhadas por toda a cidade. Além disso, proliferam muitos espaços multifuncionais, como KochxBos, nos quais obras dividem espaço com roupas, móveis ou alimentos. São mutáveis, mas estão sempre sintonizados com as últimas tendências.

Casas-Museu ao lado dos canais

Algumas das casas situadas ao lado dos principais canais da cidade aproveitaram seu potencial arquitetônico para transformarem-se em espaços culturais. Nestas residências senhoriais, é possível descobrir a Amsterdã do século XIX (museu Willet-Holthuysen) ou conhecer pequenas - mas importantes - coleções artísticas, como a da família van Loon, que abriu seu lar ao público em 1973. Junto ao canal, estão também o Museu da Bíblia, o da Fotografia e o das Malas e Bolsas.