0800 940 8840
Horário de atendimento:
24 horas
TUI DE

As Canárias de Pérez Galdós

Teatro Pérez Galdós em Las Palmas.
Casa-museu de Galdós com o famoso quadro de Sorolla.
Pátio da casa do escritor.
Quarto com a cama de Galdós.
Escritório de Galdós.

Jexa Jexa Jexa Jexa Jexa

Gran Canária presta homenagem ao seu autor mais estimado: Benito Pérez Galdós. Além da casa de infância, existe um percurso pela cidade com citações de suas obras.
“Não tenho culpa que a vida se nutra da virtude e do pecado, do belo e do feio”, escrevia Benito Pérez Galdós, em defesa da diversidade e da riqueza do cotidiano. As ilhas Canárias estão principalmente associadas a duas atividades: a vulcânica e a litorânea. É verdade que ambas estão profundamente marcadas tanto pela topografia como pelo caráter dos habitantes locais. Também é verdade que as ilhas e a Gran Canária, em especial, são muito mais do que praia e vulcões. São também a natureza em todo seu esplendor, desde regiões verdes e frondosas até a aridez de alguns de seus recantos. São os esportes marítimos e também os de montanha. E muito mais... Gran Canária é cultura: shows, festivais de cinema, gastronomia e teatro, além de ser um ponto de encontro. Grande parte dessa cultura se nota no valor atribuído a uma das figuras mais representativas da ilha: o escritor Benito Pérez Galdós (1843-1920). Ele é o autor mais representativo do realismo espanhol do século XIX e um dos exemplos de letrados que, ao longo de sua carreira, estiveram ativamente presentes na vida política, social e cultural de sua época. Galdós centrou sua carreira no gênero da novela, foi membro da Academia de la Lengua e trabalhou como jornalista para inúmeras empresas.

Os anos vividos em Las Palmas de Gran Canaria - até os 19, quando se mudou para a península para viver entre Madri e Santander - marcaram não só seu caráter, mas também seu estilo literário, suas descrições e a forma de narrar. Os temas sobre os quais teoriza, como a política e a sociedade, têm raízes na sua Gran Canária natal. Desse modo, não é estranho que continue sendo uma atração para o viajante nem estranho estar em pleno centro histórico, com sua casa de portas abertas a quem quiser ver seu primeiro berço e uma réplica do quarto em que faleceu. É possível, ainda, visitar outras áreas do casa, como sala, quartos ou espaços privados nos quais se conservam manuscritos como "Marianela" (1878) e documentos do autor de "Fortunata y Jacinta" (1887) e "Los Episodios Nacionales", escritos entre 1872 e 1912.

Este imóvel é também uma mostra da arquitetura doméstica canária do século XIX, com distribuição de acordo com o modelo tradicional implementado ao redor de pátios centrais. Também abriga fotografias, objetos de decoração e instrumentos musicais que pertenceram ao escritor. Além da casa-museu, existe a rota Pérez Galdós, que percorre o centro histórico do município ao longo de onze citações escritas nas ruas do bairro de Triana. A primeira está no chão, junto a uma árvore emblemática da ilha, o drago canário, no início da rua que tem o nome do autor e onde se inicia o trajeto. Algumas destas frases lembram que “a historia está no que todos fazem, e naquilo que faz cada um” ou “por onde quer que ande o homem, ele leva consigo sua novela”.

Teatro com seu nome

Benito Pérez Galdós foi um “símbolo muito importante” para as Canárias, explica-se ao viajante na casa-museu. Muito próximo de lá, a poucos metros, está um dos principais teatros de Las Palmas, que recebeu o nome do escritor. Inaugurado em 1890 e restaurado em 2007, possui, à frente, um monumento recria em grandes dimensões a figura do autor. A réplica se encontra no interior da casa-museu. Na cidade, também existem escolas com seu nome.

A cara das mil pesetas

O escritor canário, considerado por muitos como um dos mais importantes após Cervantes, esteve durante muito tempo presente nos bolsos dos espanhóis. Quando a peseta ainda era a moeda oficial da país, a imagem do escritor Pérez Galdós estampava a nota de mil pesetas. Seu rosto era a reprodução de um quadro pintado por Joaquín Sorolla e que pode ser, atualmente, visto na casa-museu canária. Outra das atrações que podem ser vistas é uma coleção de móveis desenhados por Pérez Galdós.