0800 940 8840
Horário de atendimento:
24 horas
TUI DE

Para além das “papas arrugadas”

Os queijos da ilha são feitos com leite de cabra
Os vinhos de Lanzarote são ótimos para acompanhar peixes
Vinho branco em um restaurante ao ar livre
O vinho branco de Lanzarote é conhecido internacionalmente
“Papas arrugadas” são o prato mais popular da ilha

Lancelot Medios Shutterstock Shutterstock Lancelot Medios Shutterstock

A gastronomia de Lanzarote combina receitas tradicionais com técnicas contemporâneas dos chefs mais inovadores.
Lanzarote pode ser descoberta de muitas formas, e uma delas é a gastronomia local, geralmente desconhecida de quem visita a ilha pela primeira vez. Se você gosta de experimentar coisas novas, confira receitas autóctones como o peixe seco ao molho conhecido como jareas. Outras opções são os sabores intensos das costeletas refogadas com abacaxi ou do coelho com salmorejo (espécie de sopa de tomate mais consistente).

A cozinha de Lanzarote é tradicional e utiliza ingredientes nativos. Além do peixe, a carne de porco, as verduras, os legumes e o queijo formam a base da maioria dos pratos. Tanto elaborações tradicionais como contemporâneas têm um denominador comum: a preferência por alimentos leves.

O peixe é preparado de várias formas: cozido, grelhado, frito, na brasa ou ao forno. Habitualmente, é servido com molhos canários como o verde (suave) e o vermelho (apimentado), assim como com “papas arrugadas” (batatas cozidas com casca). Este último acompanhamento sobreviveu ao passar do tempo e se mantém nos cardápios dos estabelecimentos mais populares da ilha.

Porém, a gastronomia do lugar vai além das “papas”. O oceano Atlântico é uma grande mina, ainda que desconhecida de muitos fãs do estilo gourmet. Os peixes insulares conseguiram um lugar fixo nos cardápios mais selecionados da região, entre eles o pagrus pagrus e o cherne, e o caldo de peixe tornou-se um dos pratos mais pedidos, sendo preparado a partir de receitas típicas herdadas de pescadores.

Durante anos, o gofio, mistura de farinha de cereais torrados, foi um dos alimentos básicos de uma população dependente da agricultura. Os restaurantes canários o preparam com queijo, mel, abacate e frutos secos, mas cozinheiros mais contemporâneos o utilizam criativamente também em sorvetes, musses, suflês e bombons. No Lilium, restaurante no porto de Arrecife comandado pelo chef Orlando Ortega, o gofio é utilizado em pratos de origem francesa como o coulant de chocolate ou em outros asiáticos, como o nigiri de salmão. Outro exemplo dessa fusão de culturas gastronômicas são as croquetes de banana e chouriço chacón (embutido típico das ilhas Canárias feito de carne de porco que, por sua fina textura, pode ser passado no pão).

Em outros restaurantes como o La Tegala de Germán Blanco, chef que impulsionou a transformação gastronômica de Lanzarote, os pratos também contam com ingredientes tradicionais; porém, são preparados de forma mais sofisticada. O menu da casa lista ceviche de cherne, caviar de côco e leite de tigre, lentilhas e arroz de marisco com amêijoas.

O basco Mikel Otaegui, do restaurante Naia, também soube fazer uma boa mistura de alimentos da ilha com o uso de novas técnicas culinárias. Não deixe de experimentar os legumes cozidos de diferentes formas ou a carne de porco com purê de batata trufado para comprovar esse fato.

Vinho e queijo para o caminho

A paisagem de La Geria é um exemplo do esforço do homem para se adaptar ao meio em que vive. De lá, deriva também a singularidade de seus vinhos. O mais tradicional é o malvasia seco, branco elaborado com uvas malvasia. Mas há outros vinhos que combinam esta com outras variedades, entre elas listán negro e diego. Já os queijos, feitos com leite de cabra, merecem menção especial. Alguns deles contam com pimentão doce ou farinha gofio - um produto típico da ilha. Fabricantes como Finca de Uga, El Faro ou Mancha Blanca competem com queijarias de prestígio internacional.

Devorando a ilha

"Saboreie Lanzarote" é uma iniciativa do governo local para a promoção da gastronomia insular. O objetivo é divulgar a ilha como um destino onde se come bem, com uma cozinha em constante evolução e com bons produtos locais. A ideia é organizar uma série de eventos gastronômicos para que o público tenha acesso a diferentes pratos pagando pouco. Um dos mais populares é o que acontece em Teguise e reúne milhares de pessoas durante um fim de semana entre outubro e novembro.