0800 940 8840
Horário de atendimento:
24 horas
TUI DE

Capital musical da Europa

Estátua de Johann Strauss no Stadtpark
A Ópera de Viena acolhe cerca de 300 representações por temporada
Monumento a Mozart no jardim Burggarten
Concierto
Músicos

Cha già José via VisualHunt / CC BY-SA Guillaume Speurt via Visual Hunt / CC BY-SA

Mozart disse que era a melhor cidade do mundo para sua profissão, e os mais de 15 mil concertos realizados anualmente em Viena demonstram que tinha razão.
A música pode ser sentida - ou, melhor dizendo, ouvida - em cada uma de suas ruas. Por elas, já passaram os maiores compositores da história: Wolfgang Amadeus Mozart, Ludwig van Beethoven, Franz Joseph Haydn, Franz Peter Schubert, Johann Strauss (pai e filho)... São nomes conhecidos e admirados, mesmo por aqueles que não gostam de música clássica. Mas não é o único motivo. A capital da Áustria é um exemplo de que, se o objetivo é fomentar algo, o primeiro passo é investir. Uma cidade não terá esta faceta musical e cultural sem criar previamente espaços para tal, e os vienenses cumpriram bem este requesito: têm teatros, salas de concerto, escolas, conservatórios e a ópera mais famosa do mundo, a Ópera Estatal de Viena.

A música também está presente em museus dedicados a instrumentos musicais (como aqueles instrumentos renascentistas ou barrocos que compõem o acervo do Palácio Hofburg) ou à arte em si mesma, como A Casa da Música (Haus der Musik). Esta foi a residência do primeiro diretor da Orquestra Filarmônica de Viena e tornou-se um museu de seis andares, onde não apenas é possível ver e estudar instrumentos e partituras, como também interagir com eles, criando, por exemplo, a sua própria ópera em um palco virtual. As crianças podem divertir-se dirigindo um "concerto especial no zoológico", no qual cada animal canta um estilo musical.

Casas onde viveram músicos famosos também tornaram-se museus, como o apartamento de Strauss ou a Casa de Mozart, no número 5 da rua Domgasse. Apesar de ter nascido em Salzburgo, o famoso compositor fez suas primeiras turnês musicais em Viena, onde conheceu o sucesso. Ali, onde morou por uma década, compôs muitas das suas obras mais famosas, entre elas “A Flauta Mágica”. Foi na Catedral de Santo Estevão, símbolo da cidade, onde Mozart casou-se com sua esposa Constanze Weber e onde também aconteceu seu funeral.

Não há apenas roteiros turísticos para conhecer monumentos: também existem os que estão voltados para a descoberta de lugares importantes musicalmente falando. Por exemplo, para desfrutar de 15 minutos de música de órgão, você pode ir, ao meio-dia, até o relógio Anker, situado na Hoher Markt. Você também pode optar por uma vertente mais educativa, aproveitando para conhecer a Universidade de Música e Artes Dramáticas de Viena (MDW), situada em pleno coração da cidade. Com um pouco de sorte, conseguirá assistir a algum concerto dos alunos da instituição.

Apesar de sua inegável importância, a música clássica não tem, em Viena, o monopólio desta arte. Na capital austríaca, há uma verdadeira paixão pelo jazz, que você pode curtir em muitos pubs e restaurantes, entre eles o Albertina Passage ou o Monday's Finest. O Festival de Jazz de Viena é também muito famoso e costuma acontecer todos os verões, sempre na primeira semana de julho. Espaços como Escape ou Amananth's Place evidenciam que o rock também tem lugar cativo na vida dos vienenses, que, desde 2015, veem os melhores grupos deste estilo musical tocando no festival Rock in Viena. Ritmos eletrônicos e o house, por sua vez, animam as noites vienenses em suas numerosas discotecas, sendo a Flex uma das mais destacadas.

Viena é o lugar onde os silêncios entoam a valsa, a Ringstraße é um pentagrama e, os vienenses, colcheias em uma escala musical que percorre cada rua da cidade, desde o Prater até a Stephansplatz. Música, maestro!

Orquestra Filarmônica de Viena

Considerada a “melhor orquestra do mundo”, foi criada em meados do século XIX. É conhecida mundialmente pelo seu célebre Concerto de Ano-Novo, que, desde 1941, ocorre todos os anos no dia 1 de janeiro, sendo transmitido para vários países. Apesar da fama, a orquestra recebeu também numerosas críticas, por não permitir, até 1997, a incorporação de mulheres de forma permanente. Isso mudou com a chegada de Anna Lelkes, harpista que conseguiu esse feito depois de mais de vinte anos tocando no grupo.

Viena, o berço da valsa

A valsa, conhecidíssima dança de passos rápidos e ritmo de três por quatro, é a dança quase oficial de qualquer casamento que se preze. Foi Johann Strauss (pai) quem popularizou este estilo no mundo, compondo 152 valsas vienenses, entre elas a famosa Loreley-Rhein-Klänge. A cidade de Viena fez jus ao seu legado e, hoje em dia, é possível ver inúmeras exibições artísticas de valsa na ópera e nos teatros locais. Turistas também podem aprender a dançar valsa em lugares como a escola de dança Rueff.