0800 940 8840
Horário de atendimento:
24 horas
TUI DE

O paraíso dos gulosos

Buchteln vienense
Doces na vitrine da confeitaria Demel
Confeitaria Demel
Hotel Sacher
Tarta Sacher

alex.ch via Visual hunt / CC BY-SA pollobarca2 via Visualhunt / CC BY-SA

Em Viena, a vitrine de cada confeitaria é de dar água na boca. Bem-vindo à capital da Áustria, uma das mais doces da Europa.
No centro histórico de Viena, elegantes cafés e confeitarias surgem a cada passo, exibindo, em suas vitrines, deliciosos doces que não deixam ninguém indiferente. A torta Sacher rouba a atenção em meio aos demais. Tem duas camadas de bolo cobertas com chocolate preto brilhante e costuma ser servida com chantilly, o par perfeito para esta torta que tem, inclusive, um dia nacional próprio na Áustria: 5 de dezembro. Tão famosa como polêmica, leva o nome da família que a criou.

O inexperiente confeiteiro Franz Sacher foi o primeiro a inventar a receita, em 1832. Era apenas um aprendiz quando escreveu a fórmula que surpreendeu o príncipe Metternich e seus convidados. Anos mais tarde, seu filho levou a receita à confeitaria Demel, que começou a produzi-la e a vendê-la com muito sucesso. Todas as tardes, a imperatriz Sisi dirigia-se a este local, em uma carruagem dourada, para deleitar-se com a saborosa torta. Perante esta situação, a família Sacher e seu séquito de advogados empreenderam um longo processo judicial para recuperar a autoria desta maravilha gastronômica. Finalmente, os tribunais decretaram que a torta do Hotel Sacher seria catalogada como 'Original Sacher-Torte' e, a da Demel, 'Eduard Sacher-Torte'.

A senhorial confeitaria Demel, no número 14 da central Kohlmarkt, soube lidar com a situação e posicionar-se no mercado como a confeitaria da corte da dinastia Habsburgo. Ainda hoje é considerada uma das melhores da cidade. Continuando uma tradição com mais de duzentos anos, só trabalham mulheres na Demel. Além de cuidar dos sabores, também zela muito pelo visual. Decora as vitrines com doces e bolos de forma artística, em especial com suas famosas violetas açucaradas.

O Café Central está a menos de cinco minutos a pé da Demel e fica na entrada do Palais Ferstel. Desde 1876, é procurada por personagens tão ilustres como Sigmund Freud, Leon Trótski ou Arthur Schnitzler quando querem satisfazer seus desejos mais gulosos. Atualmente, é um dos cafés mais populares, e só chegou a ser fechado uma vez: durante a Segunda Guerra Mundial. Muito perto da Stephansplatz, o coração de Viena, encontra-se o café Hawelka, célebre pelo aroma que o rodeia. O cheiro invoca seus famosos buchteln, brioches feitos com levedura e recheados com geleia de ameixa. Estes pequenos pãezinhos atraem, para as mesas do Hawelka, artistas e boêmios como o austríaco Friedensreich Hundertwasser. Leopold Hawelka, fundador da cafeteria, faleceu em 2011, com 100 anos de idade, após viver suas últimas sessenta décadas entre cafés e representantes do meio artístico.

Além da Ringstraße, há outros lugares excelentes onde satisfazer os mais profundos instintos gastronômicos. O Café Sperl soube fidelizar a clientela graças à sua confeitaria e à criação de um ambiente de época, com sofás vermelhos aveludados e móveis escuros de madeira. Neste lugar, aberto em 1880, foram gravadas cenas de filmes como "Antes do Amanhecer", protagonizado por Ethan Hawke e Julie Delpy. Ao pé do Palácio de Schönbrunn, o Café Dommayer destaca-se por ser um dos mais autênticos para degustar as delícias vienenses, como demonstra a clientela local ou o inglês escasso de seus colaboradores. Há anos, Johann Strauss tocava aqui suas peças musicais.

Esta é apenas uma pequena seleção, mas o tradicional café vienense vai surpreendê-lo em cada esquina da cidade. Assim, siga nosso conselho: deixe sempre lugar para a sobremesa.

De confeitaria a hotel de luxo

Tudo começou com o sucesso da torta Sacher. Embora o autor da receita seja Franz Sacher, foi seu filho Eduard quem começou a popular este doce comprando um palácio justo atrás da Ópera de Viena. Ali, abriu uma confeitaria que, com o passar do tempo, transformou-se no luxuoso Hotel Sacher, de cinco estrelas, onde um quarto duplo custa aproximadamente 500€. Concorre com o Hotel Imperial e com o Hotel Das Triest no afã de alojar celebridades em suas suítes.

A torta favorita de Freud

Sigmund Freud, pai da psicanálise e ilustre cidadão de Viena, era um fanático da torta Sacher. Viveu na cidade até 1938 e, alguns anos antes de falecer, continuava degustando aquele doce, símbolo da cidade, no Hotel Sacher, onde nasceu a receita original.